Lançamento: TeMA Informativo N.3 – set. 2017

O TeMA Informativo vol. 3 (setembro de 2017) teve a honra de receber o compositor Ricardo Tacuchian em sua “sala de visitas virtual”, concedendo-nos uma interessante entrevista. Nela, Tacuchian reflete sobre a importância da teoria musical e da musicologia para sua carreira e a concepção de seu “SistemaT”, além de abordar questões mais amplas relacionadas ao pensar e fazer musical: o posicionamento de estudos teórico-analíticos frente ao pluralismo estético musical atual, a questão polêmica do “valor da obra de arte”, e as diversas relações de oposição e interseção entre o processo criativo e a pesquisa científica.  Além da entrevista, outras notícias de interesse teórico (releases de livros e artigos) se encontram nas seções “Da Teoria”e “Da Análise”.  Atividades dos associados da TeMA, notícias sobre eventos nacionais e internacionais se encontram na seção “Em Destaque”.  O link ao acesso do volume se encontra na página inicial deste site

PRÊMIO TeMA 2018

Para marcar o quinto ano de atividades da TeMA, a associação lança em 2018  o I Prêmio TeMA de Teoria e Análise Musical, na categoria Jovem Pesquisador, direcionada a pesquisadores individuais entre 18 e 35 anos. Poderão concorrer autores brasileiros ou estrangeiros residentes no Brasil há, no mínimo, dois anos, com trabalhos inéditos relacionados ao tema “Música brasileira: perspectivas teóricas e analíticas”.

Outorgar-se-á um prêmio único e indivisível da Academia Brasileira de Música, que consistirá do valor de R$500,00 (quinhentos reais), além de passagem aérea e hospedagem para assistir à cerimônia de premiação concedidas pela TeMA, e publicação eletrônica do trabalho premiado pela Editora TeMA.

A cerimônia de premiação ocorrerá durante o III Encontro da TeMA (João Pessoa, 4 a 6 de outubro de 2018), a realizar-se sob os auspícios do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal da Paraíba.

As inscrições estarão abertas de 5 de março a 15 de abril de 2018 no site da TeMA, página do Prêmio (www.tema.mus.br/premio/), ainda em construção.

V. Documentos anexos (abaixo):

Prêmio TeMA-Regulamento

Prêmio TeMA-Edital 

Prêmio TeMA – Instruções para autores

 

 

NOVO LANÇAMENTO DA TeMA

Acaba de sair do forno criativo da EDUFBA o novo livro da TeMA, “Teoria e Análise Musical em Perspectiva Didática”(Série Congressos da TeMA, vol. II), contendo uma seleção de ensaios teóricos e analíticos derivados do II Congresso da TeMA (Florianópolis,  3 a 6 de maio de 2017). Estabelecendo um diálogo entre as teorias composicionais e analíticas da música e a educação musical, os autores discutem questões metodológicas importantes do ensino teórico da Música, ao lado de outros assuntos de interesses dos Grupos de Estudo da TeMA: narratividade musical,  vocabulário teórico-analítico em língua portuguesa e a produção acadêmica em teoria e análise musical no Brasil.

 O volume poderá ser adquirido mediante solicitação aos editores – Ilza Nogueira (nogueira.ilza@gmail.com) e Guilherme S. de Barros (guisauer@gmail.com) – pelo valor de R$70,00 (frete incluso).

II Congresso da TeMA

banner-web-2017-01

O  II Congresso da TeMA (Florianópolis-SC, 3-6/5/2017) trará duas grandes personalidades internacionais da Teoria da Música, para proferirem conferências, seminários, e debaterem com pesquisadores brasileiros o ensino teórico e analítico da música na atualidade. Miguel Roig-Francolí e Poundie Burstein são os convidados de honra do evento, que neste ano hospeda-se no Centro de Artes da Universidade Estadual de Santa Catarina.

Miguel A. Roig-Francolí é Professor Distinguido (Distinguished Professor) de teoria e composição no College-Conservatory of Music da Universidade de Cincinatti. Seu trabalho como teórico, musicólogo e pedagogo tem sido reconhecido internacionalmente. Tem artigos publicados nos principais periódicos acadêmicos e coletâneas de ensaios dos Estados Unidos, Inglaterra e Espanha, sobre temas que abrangem desde a teoria composicional do século XVI e a música dos compositores renascentistas espanhóis Antonio de Cabezón e Tomás Luis de Victoria até a música de György Ligeti.  É autor de Harmony in Context e Understanding Post-Tonal Music, dois livros didáticos amplamente utilizados nos Estados Unidos e Canadá e, em tradução ao mandarim, na China. Dentre as honrarias recebidas, destacam-se a Medalha de Honra do Conservatório Superior de Música das Ilhas Baleares (Espanha, 2004); o Prêmio A. B. “Dolly” Cohen de Excelência Pedagógica da Universidade de Cincinatti (2007); o prêmio George Rieveschl Jr. de Trabalhos Criativos e/ou Acadêmicos (2009); e o Prêmio Ramón Llull do Governo das Ilhas Baleares (2010). Como compositor, tem-se apresentado na Espanha, Inglaterra, Alemanha, México, Itália, Suíça, França, Grécia, Polônia, Colômbia e Estados Unidos. Em suas obras, críticos têm reconhecido destreza, respeito pelo passado e o desejo em estabelecer uma imediata comunicação. Dentre os prêmios recebidos, destacam-se o 1.º prêmio no Concurso Nacional de Composição da “Juventudes Musicais Espanholas” (1981) e o 2.º prêmio da Tribuna Internacional de Compositores da UNESCO (Paris, 1982), ambos pelas suas Five Pieces for Orchestra.

Poundie Burstein 1  L. Poundie Burstein é professor na City University (New York). Ex-presidente da Society for Music Theory (2013–15), é co-autor de A Concise Introduction to Tonal Harmony (Norton), distinguindo-se pela extensa produção de ensaios publicados nos mais prestigiados periódicos internacionais da Teoria Musical. Em sua conferência – “Entre o concreto e o abstrato na aula de teoria musical tradicional” –, Burstein focalizará a inevitável tensão entre o abstrato e o prático na sala de aula de teoria musical. Analisando os riscos da ênfase nas abstrações (a alienação da realidade musical) ou na especificidade (a dificuldade da transferência dos conceitos subjacentes a repertórios mais amplos), ele conclui que a mediação entre os extremos da abstração excessiva e da especificidade desproporcional é um desafio fundamental para a pedagogia da teoria musical. Quanto aos seus seminários, centrados na análise schenkeriana e sua pedagogia, eles abordarão estratégias para o ensino da análise schenkeriana, desde a sua introdução aos exemplos analíticos mais avançados, remetendo as estruturas realçadas pela análise schenkeriana a padrões estilísticos e estruturais auxiliares na concepção das obras.

Dentre as outras interessantes atividades do evento, destacam-se as mesas temáticas onde se discutirá a problemática do ensino teórico-analítico em níveis de graduação e pós-graduação, no Brasil e nos Estados Unidos.

Programa (tabela horizontal)

 

VII SIM/UFRJ & II Encontro da TeMA

O II Encontro da TeMA associa-se em 2016 ao VII Simpósio Internacional de Musicologia da UFRJ. Focalizando “A Música no Universo Ibero-Afro-Americano: desafios interdisciplinares”, os eventos se realizarão nos dias 24 a 27 de outubro de 2016, no prédio 3 da Escola de Música da UFRJ (Ventura Corporate Towers – Av. República do Chile, 330 –Torre Leste – 21º andar). Confiram a programação integral no documento anexo.

sim-ufrjtema2016_programa-3

Encontro 2015 da TeMA

Encontro 2015 - Cartaz

A TeMA – Associação Brasileira de Teoria e Análise Musical anuncia aos seus associados e à ampla comunidade acadêmica da Música a realização do seu “Encontro 2015”, nos dias 23 e 24 de outubro, no Centro Universitário Maria Antônia da USP (Rua Maria Antônia, 294 – Vila Buarque, São Paulo – SP).

Centrado no tema “O Ensino da Teoria e Análise Musical no Brasil”, o Encontro constará de 3 amplos debates sobre questões didático-pedagógicas relacionadas às disciplinas teóricas da Música, quais sejam:

23/10/2015 (sexta-feira)

   15:30h – 18:00hTeoria da Música no ensino de graduação

Coordenação: Maria Lúcia Pascoal

–   Teoria da Música nos Bacharelados

–   Teoria da Música nas Licenciaturas

–    Licenciatura em Teoria da música

24/10/2015 (sábado)

   09:30h – 12:00Teoria da Música no ensino de pós-graduação

Coordenação: Carlos de Lemos Almada

–   Teoria da Música na pós-graduação acadêmica

–   Teoria da Música na pós-graduação profissional

–   Teoria da Música como área de concentração

   15:30h – 18:00hLiteratura didática em Teoria da Música

Coordenação: Paulo de Tarso Salles

–  Obras traduzidas: reflexões críticas e sugestões

–   Obras originais: reflexões críticas e sugestões

–   Mercado editorial

Concebido como um evento aberto, pretende-se que as mesas de debates integrem não somente convidados mas, principalmente, aqueles que, espontaneamente, queiram expor experiências e reflexões significativas. Nesse sentido, estaremos recebendo solicitações de adesão aos três debates do congresso até o próximo dia 30 de setembro. Dirigindo-se à Coordenação científica do Encontro (diretoria@tema.mus.br), solicitantes deverão incluir os seguintes dados: Nome, titulação, instituição, título do debate, breve sumário da exposição.

Considerando a necessidade de escutarmos a comunidade acadêmica para planejarmos ações voltadas à pedagogia da Teoria e Análise musical, estimulamos a participação de todos os que vêm refletindo sobre o tema e possam contribuir com sugestões pertinentes à atualidade, ao nosso sistema educacional e à nossa cultura musical.

Lançamento da Série Congressos da TeMA

É com grande satisfação que apresentamos aos nossos associados e aos estudiosos da Música o primeiro volume da Série Congressos da TeMA, uma publicação bienal contendo ensaios selecionados dos congressos da associação. O volume contém 17 textos apresentados nas conferências e mesas-redondas do I Congresso, realizado em Salvador, em novembro de 2014. Acácio Piedade, Carole Gubernikoff, Cristina Gerling, Fernando Cerqueira, Lawrence Kramer, Liduíno Pitombeira, Manuel Veiga Marcílio Onofre, Marcos Vinício Nogueira, Michael Klein, Norton Dudeque, Paulo Costa Lima, Paulo de Tarso Salles e Rodolfo Coelho de Souza assinam os ensaios que se dirigem a cinco tópicos: Análise Musical na Contemporaneidade; Teorias do Compor: a contemporaneidade brasileira; Análise Musical como Discurso Crítico; Vocabulário Teórico-Analítico e sua Problemática; e Expectativas para a Teoria da Música na Atualidade. A edição eletrônica encontra-se disponibilizada neste site (v. Publicações). A edição impressa, com lançamento previsto para o “Encontro 2015 da TeMA” (23-24/10/2015), será distribuída aos autores, associados e instituições de ensino musical (a pedido: diretoria@tema.mus.br).

I Congresso da TeMA

Realizou-se em Salvador, no período de 9 a 12 de novembro de 2014, o congresso inaugural da TeMA. Patrocinado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), pela Fundação CAPES e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB), sendo significativamente apoiado pela Associação OCA de compositores baianos e pelo Laboratório COMPOMUS da UFPB, o evento realizou-se na Escola de Música da UFBA. Participaram 50 congressistas, representando 15 instituições de ensino superior. O tema geral do congresso – “O Pensamento Musical Criativo: Teoria, Análise e os Desafios Interpretativos da Atualidade” – foi desenvolvido em quatro mesas temáticas e dois fóruns temáticos, quando discutiu-se, principalmente: “Processos e resultados composicionais no Brasil contemporâneo – concatenações e ressonâncias”; “A crítica como alicerce do pensamento analítico – perspectivas hermenêuticas, cognitivas, sistemáticas e históricas”; “Pensamento e linguagem — a dimensão cultural na criação e trânsito de conceitos”; “A pós-graduação em composição no Brasil — vocações, legados e perspectivas”. Criaram-se três grupos de estudo, cujos temas, visando ao suprimento de carências identificadas na produção brasileira e à sua compatibilização com o atual desenvolvimento internacional em teoria e análise musical, conduzirão o programa editorial da TeMA em sua primeira fase administrativa: “Trajetória da produção teórico-analítica no Brasil”, “Vocabulário teórico-analítico em língua portuguesa”, e “Procedimentos narratológicos do discurso musical”. A Assembleia Geral, reunindo 30 associados fundadores, aprovou o Estatuto Social da TeMA e elegeu sua primeira diretoria para o biênio 2015-2016.

Lawrence Kramer e Michael Klein no I Congresso da TeMA

O I Congresso da TeMA trouxe, pela primeira vez ao Brasil, dois ilustres pesquisadores estadunidenses que proferiram as conferências inaugurais da Associação: Lawrence Kramer e Michael Klein. Lawrence Kramer, Professor Emérito de Música e Inglês na Universidade Fordham (Nova Iorque), além de um renomado musicólogo, também é um compositor premiado. Em 2013, seu movimento para quarteto “Clouds, Wind, Stars” foi distinguido com o “Composers Concordance ‘Generations’ Prize”. Da sua produção musicológica recente, podemos citar: Expression and Truth: On the Music of Knowledge (2012), Interpreting Music (2010), e Why Classical Music Still Matters (2007), todos publicados pela Editora da Universidade da Califórnia (UCP). Em sua conferência original para a TeMA – “Em Busca da Música: linguagem, análise e cuidado” –, opondo-se à concepção geralmente aceita de que a análise é a base da compreensão musical, Kramer defenderá a noção de que a compreensão musical é, ou deve ser, a base da análise – e o seu limite. O que a música apresenta para análise, diz Kramer, é o resultado de como uma pessoa culturalmente engajada discursa através dela. E a compreensão musical deve originar-se de interpretações baseadas no processo do discurso musical – o que interessa na música – e de seus efeitos. Michael Klein, PhD em Teoria da Música pela Universidade Estadual de New York em Buffalo, é Professor e Chefe do Departamento de Estudos Musicais em Temple University (Filadélfia). Sua pesquisa dirige-se à teoria crítica e suas aplicações à compreensão musical. É autor de Intertextuality in Western Art Music (Indiana University Press, 2005) e tem publicado uma grande variedade de temas em importantes periódicos internacionais. Seu artigo “Chopin’s 4th Ballade as Musical Narrative”, publicado em 2004 em Music Theory Spectrum, rendeu-lhe um prêmio da Society for Music Theory. Seu próximo livro, Music and the Crises of the Modern Subject, dirige-se aos problemas da subjetividade moderna (segundo o modelo lacaniano) e suas implicações para a compreensão da música. Em sua conferência para o congresso da TeMA – “Música e Narrativa a partir de 1900: o desafio hermenêutico da análise contemporânea”, Klein argumenta: “O que faz crescer a problemática da narrativa musical após 1900 é a perda daquilo que muitos consideraram (erroneamente) ser o impulso narrativo da música anterior a 1900: a tonalidade.” Para o autor, a tonalidade funciona mais como uma ideologia do que como narradora de histórias. Segundo Klein, “o estudo narrativo da música é um ato hermenêutico, que deve ocupar-se da história, da cultura e da subjetividade. Caso contrário, a narrativa musical simplesmente reinscreve o formalismo puro no estudo da música”.